quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

ROLEZINHO, A NOVA NOVELA PAULISTA, CAPITULO III


 

     Falei sobre os frequentadores habituais e sobre a moçada que pratica o rolezinho, agora vamos analisar o ponto de vista dos lojistas, das administradoras de shoppings e a ação da PM. 
     O lojista de shopping, bem vamos esquecer as grandes lojas, pensemos nas lojas menores e mais comuns, bem, realmente eu tenho pena da grande maioria, pois foram enganados com a promessa de ter seu próprio negócio e muitos investem ali dinheiro de uma vida toda, dinheiro de indenização de empresas quando sao demitidos, enfim, só que quando estão lá dentro descobrem a arapuca em que se meteram, e é complicado sair, ainda se perde mais dinheiro, e o shopping apenas negocia o ponto com outro....ou seja, continua ganhando. Em uma situação de rolezinho, a primeira reação desse lojista é a de um cidadão comum contaminado pelo senso comum e pela chaga do preconceito, fechar a loja para evitar assalto, depois pressionar o shopping para tomar as "devidas medidas"e por ai vai,. Por que isso, mesmo que nao ocorra incidentes nas lojas? Na visão "comercial" um dia de rolezinho iria afastar outras pessoas que hipoteticamente poderiam consumir mais, o que nem sempre é verdade, mas lembrem-se do pré - conceito.
  O comerciante é um sujeito engraçado, que está tão envolvido com seus prolemas e acaba sentindo medo de ser assaltado ou prejudicado pelo rolezinho e esquece que ele já é assaltado todo mês pelos proprietários do shopping center, pois ele paga uma fortuna entre aluguel, condomínio e outras taxas malucas que aparecem.. e não me lembro de nenhum lojista chamar a PM para prender dono de shopping.
  Enfim, os proprietários ou as administradoras recorrem a policia ou ao judiciário para impedir os eventos, pois na visão comercial deles, o excesso de pessoas negras e pobres vai esvaziar o estabelecimento e trazer prejuízos afinal aquele espaço foi concebido para ser o templo do consumo.( até os cinemas estão concentrados em shoppings). 
  Ai entra em cena o braço armado e repressor do estado, a PM, bom, analisar atuação da Pm em relação a população negra, parda e pobre é chover no molhado, é só copiar qualquer texto escrito sobre alguma reintegração de posse ou mesmo "operações" realizadas na periferia.  A PM agiu de forma precipitada em muitos casos e sendo ela mesma a causar o tumulto... 
 Há de se fazer uma ressalva, que também houve tumulto apenas pela presença da pm, mesmo sem ter havido uma atitude para isso, o que significa, o grau de intolerância ente policia e a população pobre.
  E claro, que o governador disse que os excessos serão apurados, sabemos que não vão, no máximo, se alguma câmera flagrou algum policial batendo em alguém, esse coitado(coitado, pois só recebe ordens ) vai servir de exemplo e o secretário vai dizer que é caso isolado..... bom, enfim, o policial para mim, é mais uma vitima que se transforma em algoz, mas que é uma vitima também, afinal, é pobre, tem que ter 2 empregos e se fizer besteira, mesmo que ela tenho sido ordenada, ainda paga o pato.......
 Na última postagem, vou concluir com o que penso sobre todo esse assunto.
  

O ROLEZINHO, A NOVA NOVELA PAULISTA, CAPITULO II

   Como dito anteriormente, vou falar sobre o público que habitualmente frequenta os shoppings centers na grande São Paulo. A imagem passada desse grupo após o inicio dos rolezinhos é que se trata apenas de pessoas de classe média, brancos e racistas....... olha, isso é um mito ou uma meia verdade para ser mais exato.
   Assim como tudo em uma sociedade os shoppings centers também são heterogêneos em sua composição, e cada qual possui frequentadores de diferentes classes sociais, alias não precisa ser gênio para perceber isso, é só analisar os locais onde são construídos esses estabelecimentos, que vão desde areas "nobres" a locais periféricos ou de fácil acesso ao metrô.
  Para poder explicar um pouco melhor, vou pegar como exemplo 2 shoppings, que frequento, o Mooca Plaza e o shopping Internacional de Guarulhos .
  No Mooca Plaza  temos aquele caso clássico de um shopping mais "elitizado" onde existe uma distinção racial extrema, já contei o numero de negros e pardos que estão frequentando os shopping e não passa da relação de 3 para 100. Sim, e isso apesar de ter uma comunidade pobre bem no entorno...... é flagrante  a barreira social e racial existente.
  E no Shopping Internacional de Guarulhos?? Bom, claro que a maioria do publico é de classe média e branco, mas nota-se que é um espaço mais democrático, percebe-se gente de todas as etnias, alguns que não possuem grande poder aquisitivo, mas que vão ao menospara passear (apesar de que passear no shopping é a coroação do neo-liberalismo). O publico enfim, não é composto apenas por brancos de classe média que tem horror a negros, pardos e "baianos"( como são chamados os nordestinos e nortistas em São paulo).
 E ai pergunto, por que esse rebuliço todo quando ocorre um rolezinho?
  Em primeiro lugar, temos claro a questão do preconceito, muitos não querem dividir o espaço que antes era exclusivo seu,enfim,.
 Mas é só isso? claro que não, outros grupos quando observam aqueles jovens que entram cantando e em um grupo enorme, a cena que vem a cabeça dessas pessoas é que vão sofrer um arrastão ou algo pior.. E por que pensam isso? A resposta está no meio em que vivemos, com uma parte da imprensa que nos instiga ao ódio e ao medo, qualquer situação de anormalidade é encarada como de risco.
   E com agravante, pois quando as pessoas adentram em um shopping center, seja ela de qual classe social for, ela tem a sensação de segurança, como se ali fosse uma bolha, um lugar a parte da sociedade, é só observamos o número de pessoas que utilizam o shopping para fazer relatórios, , trabalhos em seus notebooks na praça de alimentação, provavelmente teriam medo de utilizar esses aparelhos em outro tipo de estabelecimento mais "aberto".
 Ou seja, vemos pessoas também da periferia com medo dos jovens que podem ser seus vizinhos, apenas pelo fato deles terem um comportamento um pouco diferente do registrado nesses lugares ou estarem em um numero grande de pessoas.
  Observação: já falei no outro post, ocorrem furtosa? sim, ocorrem brigas? sim, mas quando nao se tem rolezinho, os furtos não ocorrem:? e sobre brigas, correrias e confusão, antes de culpar apenas os jovens, pensem na responsabilidade da pm, ao chega rem um recinto fechado e disparar bombas, é claro que vai haver correria.
 Amanhã, vou postar a partir do ponto de vista dos lojistas( os mais prejudicados dentro de qualquer shopping), dos donos de shopping e das forças de segurança.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O ROLEZINHO,A NOVA NOVELA PAULISTA, CAPITULO I


  O ano de 2013, findado a poucos dias trouxe uma novidade no comportamento dos jovens moradores da periferia da grande são paulo, o "rolezinho no shopping".
  Tenho visto muita gente boa escrever sobre o tema, abordando  questões interessantes como o comportamento das pessoas que habitualmente frequentam os shoppings, como a  e o perfil dos meninos e meninas que participam do evento.
   Não vou inventar a 'roda " aqui, porém gostaria de analisar a situação partindo dos vários indivíduos envolvidos, dos jovens que praticam o rolezinho até os donos de shoppings, passando pelos agentes de segurança e pelos lojistas.
  A primeira questão se deve ao fator surpresa que esse movimento causou, assim como a invasão da nova classe média( classe média do lula segundo a nossa elite)  aos aeroportos que ocasionou aquela famosa frase preconceituosa : " O aeroporto virou rodoviária".
  Por mais que nos surpreendamos, esse movimento ja deveria ser esperado, uma vez que esses jovens ja estavam começando a ocupar esse espaço, a diferença que não em grupo, ou vejamos, onde eles vão comprar essas "roupas de marca" que ostentam? Sim, compram no próprio shopping, mas como não estão aos bandos, eram  tolerados com alguma discrição pelos "frequentadores de bem" e pelos lojistas. Lembro-me das várias conversas com meus  alunos que já trabalhavam e onde eles gastavam o pagamento.Muitos diziam que uma parte era para ajudar nas despesas da casa e a outra para gastar em bailes no próprio bairro ou nas redondezas e no shopping. E me recordo que o foco das compras eram as roupas ou trocar o aparelho de celular, chegando inclusive esses exemplos de consumismo fazer parte do tema da aula.
  Dito isso, lembremos que o controle sobre bailes ( principalmente os de funk) está mais rígido, com diversas proibições, o que com certeza diminuiu o espaço de encontro e lazer deles, e o  shopping acabou sendo uma das alternativas a essas proibições, ou seja a repressão policial acabou antecipando esse processo.
  Observando as entrevistas realizadas com esses jovens na midia, nota-se que o objetivo deles nao é roubar e nem destruir nada, e sim apenas se divertir,nada alem disso,. Sobre roubos e furtos, não se tem uma estatística confiável, mas as administradoras  dos shoppings não relatam ocorrências significativas, entao  penso  que ao classificar  os 'rolezinhos" como arrastões que visam a pratica de crimes nada mais é que uma visão errônea e preconceituosa e sem base nenhuma para sustenta-la, o que não isenta claro que possa haver pessoas em numero diminuto que se aproveitem da situação para praticar atos ilícitos, mas ai cabe uma pergunta, em dias de muito movimento, isso também nao ocorre?
   A segunda questão que observei é que esses jovens na realidade ao lutarem para frequentar e consumir  nesses espaços, não estão lutando apenas contra o apartheid social, mas também estão validando o estilo e modo de vida do próprio sistema que os oprime, pois cada vez mais esses espaços em que se cobra tudo(alguns ate pelo uso do banheiro) vai se tornando a unica opção de lazer em São Paulo, é so observar o numero de shoppings construídos ou ampliados nos últimos anos.
 Desejo de coração que esses jovens ganhem essa batalha e aproveitem para irem se divertir, e depois aproveitem e boicotem esse tipo de lugar......

Amanha , escrevo sobre o ponto de vista dos frequentadores "habituais" dos shoppings.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

SÃO PAULO, CIDADE ABERTA

 
  E não é que apesar de todos os prognósticos contrários(da midia), Fernando Haddad foi eleito prefeito de São Paulo.
  Ok, quando ficou definido o 2 turno entre Haddad x Serra, sabiamos que dificilmente o PSDB ganharia a eleição, pois a rejeição a Serra é algo que transcende a própria esquerda e chega até no eleitorado mais fiel ao PSDB.
 Claro que analisando o inicio da campanha, o cenário era desolador, dois candidatos da direita (o proprio Serra e Russomano) estariam no 2 turno. Alguns erros de estrategia afastaram ainda mais Haddad dos lideres, sendo que sua candidatura patinou muito no inicio.  Porém, após o inicio do horário eleitoral as coisas mudaram, tanto que houve um triplo empate nas pesquisas na véspera da eleição no 1 turno.
  E no 2 turno, realmente Haddad se destacou, apesar de discordar de parte de suas propostas, para mim é inegável que ele foi brilhante nesse mês de Outubro, não deixando espaços para as baixarias de José Serra, e melhor ainda, não vi ele se comprometendo com religiosos reaças em busca de um punhado de votos.
 Esse ato para mim, delimitou bem qual era o lugar de cada candidato nesse segundo turno e o que cada um representava.
  Sobre o titulo da postagem, é simples, pense uma cidade onde tudo é proibido, até distribuir sopa aos pobres ou a atividade de artistas de rua nos semáforos  pensou, essa é a sampa demo-tucana que temos,e hoje uma festa linda na Avenida Paulista marcou o fim desse ciclo. Espero que a cidade enfim volte a ser mais alegre e menos injusta.
  Amanha faço um balanço do papel do PSol em nível nacional e sobre Guarulhos também,e claro falo sobre o que foi mais uma vez a campanha maluca de José Serra.



sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

A VOLTA E OS NOVOS AMIGOS

     Foram 2 meses sem postar no blog, logo após a eleição de Dilma a presidência da república tirei ferias do blog. Foi um tempo bom para reflexões pessoais e que acabou coincidindo com as minhas férias, tanto trabalhista quanto escolar. Mas estamos ai de volta, sempre na luta.
   Nessa postagem gostaria de indicar dois novos amigos, dois blogs interessantes que conheci,um creio que já citei aqui  é o pimenta com limão, feito pela fantástica jornalista  Niara de Oliveira, o endereço do blog é http://pimentacomlimao.wordpress.com, vale a pena conferir,em minha modesta opinião , um dos melhores se não o melhor blog que acompanho. O outro é o blog do ator Benvindo Siqueira, que por mais que cometa o pecado de ser petista(calma amigos petistas, é só uma brincadeira), o cara além de um excelente ator é extremamente inteligente e escreve muito bem..
  E em instantes vou postar sobre o governo Lula e o perigo da nova direita